“Eu ainda tenho pesadelos, eu ainda acordo gritando”, conta Deisiane sobre cárcere que chocou Camaçari

Após seis meses de cárcere privado e diversas agressões físicas e psicológicas, Deisiane Souza Cerqueira, 18 anos, tenta voltar à rotina ao lado dos amigos e familiares. A jovem foi resgatada pelo pai, Robson Cerqueira Santos, 43 anos, em 19 de março, e acusa o tatuador e ex-namorado Marcos Alexandre, 35 anos, pelo crime.

O acusado está detido desde o dia 28 de março, quando se apresentou na Delegacia Especial de Atendimento a Mulher (DEAM) de Camaçari. Deisiane está sob medida protetiva.

Em entrevista ao Destaque1, a jovem contou sobre o relacionamento com Marcos Alexandre, os sentimentos após se libertar do cárcere e os planos para o futuro.

Destaque1 – Como se iniciou o relacionamento entre você e Marcos?

Deisiane Souza – Eu conheci ele aqui na praça [Abrantes], ele queria fazer uma tatuagem em mim, aí eu marquei com ele pra fazer a tatuagem e a gente foi se conhecendo cada vez mais até que um dia eu pedi pra ele ir pra o aniversário do meu padrasto e a gente começou a namorar. A gente se conheceu em junho de 2018 e depois de um tempo, começamos a morar juntos, morava eu, ele e minha mãe, até que ela casou, se mudou e ficamos só eu e ele.

D1 – Como era o comportamento dele? Quais foram os primeiros indícios de violência?

DS – Ele me bateu a primeira vez e a partir dali começou a me trancar porque ele ficou assustado, já que ele tinha me batido, e foi aí que o cárcere começou. Ele sempre foi muito ciumento, mesmo antes de começarmos a namorar, mas quando começaram as agressões que eu percebi como ele realmente era.

D1 – Como seu pai descobriu o que estava acontecendo?

DS – Era normal eu e meu pai ficarmos um tempo sem se falar, mas ele [Marcos] me fez brigar com meu pai e meu pai estranhou porque normalmente eu pedia desculpa ou algo do tipo sempre que brigávamos, e dessa vez não. Ele desconfiou e foi até mim, arrombou a porta da casa e me encontrou.

D1 – Você já havia tentado denunciar?

DS – Eu não tive oportunidade de procurar ajuda, e sem falar que ele me oprimia, me ameaçava e ameaçava minha família. Eu tava tão abalada psicologicamente que eu não tinha forças pra denunciar, eu tinha medo do que ele poderia fazer com a minha família.

D1 – Como está o andamento do caso judicialmente?

DS – Mesmo depois disso tudo ele continuou me perseguindo, até que ele ficou com medo do que a população poderia fazer com ele e se entregou. Ele está detido, eu fui pra uma casa abrigo, o processo ficou parado um tempo, mas agora estamos tentando marcar tudo com a promotora.

Deisiane Souza. Foto: Hyago Cerqueira

D1 – Como está sendo retomar a rotina?

DS – Eu estou tentando me recuperar, mas eu não vou mentir que mentalmente eu ainda estou bem abalada, eu não consigo me olhar no espelho, eu fico triste o tempo todo. Você passar por um trauma desse, tentar ficar feliz e não conseguir, eu não consigo me olhar no espelho, porque quando eu me olho no espelho eu vejo meu rosto e volta tudo. Eu ainda tenho pesadelos, eu ainda acordo gritando, eu ainda ando na rua assustada vendo ele em todos os lugares. Eu estou saindo pra tentar me acostumar com o movimento de pessoas, com barulhos, pra poder me acostumar e com fé em Deus e com o apoio dos meus amigos eu sei que eu vou melhorar.

D1 – Você está recebendo apoio médico e psicológico? 

DS – Eu tenho minha psicóloga pessoal, tenho meus amigos e estou indo para o Cras [Centro de Referência de Assistência Social] pra receber atendimento de psicólogo e psiquiatra. Uma amiga minha está me ajudando com os médicos, está conseguindo exames de graça pra mim, estamos vendo a questão do olho que já se passaram meses e não desincha.

D1 – Como é o sentimento de receber as doações e ter pessoas ajudando?

DS – Nossa, eu fiquei muito feliz. Teve um evento aqui na praça [ Abrantes], o Slam das Mulé e através da minha amiga Naty, que falou o que eu estava precisando, as pessoas começaram a doar e eu fiquei muito feliz. A roupa que você está me vendo usar aqui é de doação, porque as minhas ele rasgou e queimou todas. Os alimentos eu ainda tenho, eu fico muito agradecida.

D1 – O que você pretende fazer daqui pra frente?

DS – Fazer um curso, fazer uma faculdade, ficar bem mentalmente, trabalhar e conseguir um namorado bom. Sem me afastar da minha família, porque a gente perto da família é mais forte.

D1 – Qual a mensagem que você pretende passar para as mulheres que passam pela mesma situação?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.