Fiquem conectados conosco

Entrevistas

Camaçari tem muita história para contar, revela websérie idealizada pelo produtor e roteirista Júnior Clemente

A websérie “Camaçari, Muita História pra Contar” estreou este mês e trará fatos sobre a cidade em 10 episódios.

Camila São José

Publicado

em

Júnior Clemente, roteirista e produtor da websérie "Camaçari, Muita História pra Contar". Foto: Reprodução

Quem é Camaçari na fila do pão? Que histórias tem pra contar? Quem são as pessoas que fizeram e fazem a cidade acontecer? Camaçari possui atributos para além das indústrias? Será que quem vive aqui realmente sabe sobre a cidade?

Com esses e outros questionamentos na cabeça e muita criatividade, o publicitário, roteirista e produtor Júnior Clemente idealizou a websérie “Camaçari, Muita História pra Contar”. Em uma mistura de gírias, fatos históricos, tecnologia, pagodão, arrocha e até rap, o projeto estreou esta semana nas redes, com vídeos publicados no Instagram e YouTube. Serão 10 episódios até o final do mês de abril, trazendo diversas curiosidades sobre o município.

Ao lado de Clemente, a jornalista Mila Loureiro divide a apresentação da websérie com um tom leve e descontraído. Tudo é produzido por uma equipe composta por profissionais camaçarienses. Para colocar os vídeos na rua, o projeto contou ainda com a direção de Saulo Sancio, produção executiva de Juca Lira, pesquisa de Diego Kopque, maquiagem de Karla Calazans, narração de Alex Persil e produção musical de um dos episódios do DJ Thandera.

O projeto tem apoio financeiro da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), via Lei Aldir Blanc.

Em entrevista ao Destaque1, Júnior Clemente conta um pouco da sua trajetória profissional, dos bastidores e desafios da produção de “Camaçari, Muita História pra Contar”.

Destaque1 – Há quanto tempo trabalha com cultura? Conta um pouco da sua experiência profissional?

Júnior Clemente – Desde quando eu me entendo por gente, eu sou produtor. A minha mãe estava lembrando essa semana que desde muito criança, em qualquer evento da família, Natal, aniversários, São João, seja o que fosse, eu sempre organizava os meus primos com apresentação, eu sempre organizava a galera, o baba. Aí eu fui fazer a minha graduação em publicidade, porque eu queria trabalhar com produção de TV, de audiovisual. A vida me levou para outros caminhos da produção, então eu trabalhei com produção de teatro, de artistas, de grandes eventos, de audiovisual para publicidade… passei por vários setores da produção. Fiz e faço hoje, há mais ou menos uns 10 anos, com o América Produções, no interiorzão da Bahia, eventos de grande porte, São João, festas da cidade, alguns outros eventos. Trabalhei com carnaval também durante um tempo, já fiz camarote Quem Ivete Sangalo, Casa dos Bailes, que ficava ali na Casa de Itália, com a transmissão do Band Folia alguns anos, participei de projetos que aconteciam em Camaçari, outros não. Fui produtor local do Prêmio Braskem de Teatro e, durante muitos anos, quase nove anos, eu trabalhei na Cidade do Saber. Eu fui assessor de imprensa um período e depois assumi a produção do Teatro Cidade do Saber, que é pra mim uma grande escola. Me abriu muitas portas, me lapidou, eu tenho a honra, na verdade eu tive o privilégio, de ter Vadinha Moura como minha mentora.

D1 – Você é camaçariense, trabalhou por muitos anos com a cultura local. Como e qual é a sua relação com Camaçari?

JC – A minha relação com Camaçari vem desde meados do século 16, segundo Diego [Kopque, historiador]. A minha família, da parte da minha mãe, é de Camaçari, chegou a Camaçari em meados do século 16. E eu sou apaixonado, vivi a minha vida inteira. Em Camaçari eu vivi a minha infância no Dois Julho, a minha adolescência no Inocoop, minha vida de adulto no Centro da cidade, e eu sou apaixonado pela cidade, sou apaixonado pelo nosso jeito, sou fascinado pela capacidade de criação tão artística dos nossos munícipes — é uma coisa linda e uma coisa incrível. O que me define em relação a Camaçari é paixão, amor de verdade.

D1 – A equipe é formada 100% por profissionais de Camaçari, contando a história da cidade. Como foi o processo de produção, o que mais marcou a equipe no desenvolvimento da série?

JC – O “Camaçari, Muita História pra Contar” tem no seu corpo profissional 100% de pessoas de Camaçari. Eu gostaria muito de pontuar que eles foram selecionados, foram escolhidos para trabalhar com a gente, não só por serem de Camaçari, mas por serem muito competentes no que fazem. Nós trabalhamos com 10 profissionais de Camaçari.

O meu processo de produção talvez tenha sido um dos processos mais… um dos mais não, o mais leve e tranquilo que eu já fiz em toda a minha vida. Foi muito, muito fluido, foi muito divertido, foi muito gostoso de fazer. Tinha muito amor em tudo, era visível o envolvimento de todos eles, o capricho, porque acreditavam não só no projeto, mas entenderam e também contribuíram muito com a nossa proposta. Eles queriam que desse certo e foi tudo feito com muito amor, muito cuidado, com muito zelo, muita dedicação, do jeito que Camaçari merece.

Bastidores da gravação da websérie, com a jornalista Mila Loureiro. Foto: Reprodução

D1 – Essa é uma ação ligada diretamente à preservação e produção de memória, e à formação de identidade. O objetivo é esse, provocar essa noção de pertencimento na população? O que acredita que pode ser modificado a partir desse sentimento?

Ouça:

 

D1 – O público-alvo são estudantes de Camaçari a partir dos 12 anos, e a ideia é que esses vídeos cheguem até as escolas da cidade para serem utilizados como material de apoio, fonte de consulta sobre a história da cidade. Qual a importância de falar com esse público e tornar acessível, tanto em linguagem quanto em formato, fatos e curiosidades sobre Camaçari?

JC – O projeto, quando foi criado, eu me projetei muito nessa idade, no que eu queria saber mais sobre a cidade. Não tinha tanto acesso, lógico que também não tinha internet, mas tinham poucas informações e me faziam muita falta. A importância também de falar sobre a minha cidade para esse grupo específico é um processo de empoderamento cada vez mais cedo, que você tenha informações suficientes e tenha mais facilidade de ter argumentos para defender a sua cidade. Quando ouvir: “ah, você é de Camaçari? A cidade do Polo? Cidade poluída?”. Não, eu sou de Camaçari, a cidade que tem o Polo [Industrial], que é uma grande riqueza nossa, mas também de uma cidade que tem importância no 2 de Julho, que foi capital do Brasil, que tem a sua importância na defesa do Brasil, na invasão dos holandeses. Ou seja, eu sou de uma cidade que tem um grande valor histórico brasileiro.

Quanto ao formato, foi uma sugestão de Saulo, que é o nosso diretor, que disse: “a gente precisa fazer uma escolha, o que você acha?”. E aí eu topei. Esse formato que já é do Instagram, que as pessoas utilizam muito. O próprio YouTube já está aceitando esse tipo de formato [vertical] de maneira mais tranquila, e são episódios curtos, que você pode assistir ali rapidinho no seu celular, não leva tanto tempo. É prático, a linguagem é prática, rápida, direta, leve. Direcionado justamente a esse público de internet, e em sua grande maioria jovens.

D1 – O que acabou descobrindo sobre Camaçari durante a produção do projeto, que não fazia ideia?

JC – A primeira coisa que eu descobri foi que minha família chegou em Camaçari em meados do século 16. Isso já foi um grande baque e foi bacana de saber isso, eu fiquei feliz. Eu descobri lugares, a Prainha [em Parafuso], eu me apaixonei, não sabia, não conhecia a Prainha, mas é um lugar lindo. Eu descobri um pouco mais da nossa importância e da nossa influência no processo histórico não só da Bahia, mas no processo histórico do Brasil. Como a gente foi importante em lutar contra a invasão holandesa, importante e determinante, como a gente participou do 2 de Julho. Descobri também que a sede de Camaçari não é só onde é hoje, Vila de Abrantes foi, e tem uma outra localidade que foi sede de Camaçari. E várias outras coisas, que não posso contar tudo agora e dar tanto spoiler.

D1 – Já tem previsão para a segunda temporada?

Ouça:

 

D1 – Por fim, o que “Camaçari, Muita História pra Contar” pode deixar para a cidade?

JC – Além desse empoderamento, desse reconhecer que a gente quer trazer e deixar esse orgulho pela cidade aonde a gente vive, mora, cresceu, nasceu, Camaçari é uma grande potência turística, seja pelas suas belezas naturais, pela suas riquezas naturais, como pela sua cultura histórica. Então, o que a gente quer é que as pessoas se empoderem dessas informações e comecem a capitalizar, gerando renda e emprego também para o município.

Publicidade
Saúde2 horas atrás

Registro de casos ativos de Covid-19 em Camaçari recua neste sábado

Esporte2 horas atrás

Vitória empata contra o 4 de Julho e se classifica para as quartas de finais da Copa do Nordeste

Esporte3 horas atrás

Copa do Nordeste: de virada, Bahia vence o ABC e se classifica para próxima fase

Artigo8 horas atrás

Opinião: Fabio Vilas-Boas prioriza vacinação contra Covid-19 na capital em detrimento de Camaçari e outros municípios

Camaçari9 horas atrás

Funcionários da VSA denunciam atrasos de salários e suspensão de benefícios

Bahia11 horas atrás

Moradores recebem títulos de propriedade definitiva das residências em Mata de São João

Últimas11 horas atrás

Camaçari terá fortes chuvas nos próximos dias e Defesa Civil alerta sobre cuidados necessários

Camaçari11 horas atrás

Coronavírus: 88 novos casos e três óbitos são contabilizados em Camaçari

Esporte1 dia atrás

Com investimento de R$ 6,2 milhões, Estação da Cidadania – Esporte é inaugurada em Arembepe

Cultura1 dia atrás

Elinaldo confirma que governo vai iniciar estudos para realização do Camaforró em 2022

Política1 dia atrás

“O nosso município já tem o Bolsa Social”, rebate Elinaldo sobre proposta para criação de auxílio emergencial

Política1 dia atrás

Em Camaçari, João Roma afirma que governo federal enviou mais vacinas do que a quantidade aplicada pelos municípios

Política1 dia atrás

“Se Camaçari fez, está de parabéns”, diz Gilson Machado após criticar medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos

Camaçari1 dia atrás

Passeata pede justiça por Ângela Passos na próxima terça-feira em Camaçari

Dias d'Ávila1 dia atrás

Vacinômetro: Dias d’Ávila avança mais de 64% na vacinação contra a Covid-19

Entrevistas1 dia atrás

“Quero deixar uma Câmara diferente da que eu encontrei”, enfatiza Júnior Borges

Saúde1 dia atrás

Dias d’Ávila: confira lista das farmácias de plantão em abril

Camaçari1 dia atrás

Defesa Civil de Camaçari alerta para fortes chuvas até domingo

Camaçari1 dia atrás

Eleições 2022: candidatura a deputado estadual depende de decisão do grupo político, declara Júnior Borges

Camaçari1 dia atrás

Vacina contra Covid-19 para primeira dose acaba em menos de quatro horas

Saúde2 dias atrás

Vacinação contra Covid-19 em Salvador inclui três novas categorias profissionais nesta sexta

Camaçari1 dia atrás

Defesa Civil de Camaçari alerta para fortes chuvas até domingo

Saúde1 dia atrás

Camaçari contabiliza 59 novos casos e oito óbitos de coronavírus nesta quinta

Saúde1 dia atrás

Campanha de vacinação contra gripe começa dia 12 de abril

Camaçari1 dia atrás

Vacina contra Covid-19 para primeira dose acaba em menos de quatro horas

Brasil1 dia atrás

Caixa paga auxílio emergencial para nascidos em fevereiro

Dias d'Ávila1 dia atrás

Vacinômetro: Dias d’Ávila avança mais de 64% na vacinação contra a Covid-19

Camaçari1 dia atrás

Passeata pede justiça por Ângela Passos na próxima terça-feira em Camaçari

Camaçari1 dia atrás

Eleições 2022: candidatura a deputado estadual depende de decisão do grupo político, declara Júnior Borges

Saúde1 dia atrás

Dias d’Ávila: confira lista das farmácias de plantão em abril

Esporte1 dia atrás

Sejuv prepara Estádio Fernando Lopes para Campeonato Baiano

Últimas1 dia atrás

Novas regras de trânsito entram em vigor a partir de segunda-feira; confira mudanças

Entrevistas1 dia atrás

“Quero deixar uma Câmara diferente da que eu encontrei”, enfatiza Júnior Borges

Esporte1 dia atrás

Com investimento de R$ 6,2 milhões, Estação da Cidadania – Esporte é inaugurada em Arembepe

Política1 dia atrás

“O nosso município já tem o Bolsa Social”, rebate Elinaldo sobre proposta para criação de auxílio emergencial

Política1 dia atrás

“Se Camaçari fez, está de parabéns”, diz Gilson Machado após criticar medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos

Cultura1 dia atrás

Elinaldo confirma que governo vai iniciar estudos para realização do Camaforró em 2022

Vídeos1 dia atrás

Há 100 dias à frente do legislativo camaçariense, Junior Borges faz um balanço sobre as suas ações

Política1 dia atrás

Em Camaçari, João Roma afirma que governo federal enviou mais vacinas do que a quantidade aplicada pelos municípios

Saúde2 horas atrás

Registro de casos ativos de Covid-19 em Camaçari recua neste sábado

Copyright © 2017-2021 Destaque1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução parcial ou total de conteúdo deste site sem autorização por escrito da Good Comunicação Ltda. _____________________________

error: Alerta: Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou botões disponíveis na página. A medida visa preservar o investimento que o Destaque1 faz no jornalismo.