Fique conectado conosco
BANNER_728x90px_GERAL-02
BANNER_728x90px_GERAL_

Opinião

Acabou a Propaganda Eleitoral, até quando pagaremos para nos imbecilizar?, por Edson Miranda

Temos que adquirir cada vez mais consciência de que essa política brasileira não é feita por amadores ou para os coerentes.

Edson Miranda

Publicado

em

Acabou a Propaganda Eleitoral, até quando pagaremos para nos imbecilizar?, por Edson Miranda
Foto: Reprodução

Finalmente chegamos ao final da campanha eleitoral paga na televisão e no rádio. Sim, ela é paga pelos contribuintes brasileiros, apesar de afirmarem sua falsa gratuidade. Malandragem típica da política brasileira. Enfim, comemoremos, acabou provisoriamente esse tipo de sofrimento. Viva!

Assisti mais por dever de ofício, e, afirmo, é enlouquecedor. Nosso povo não merece tamanha loucura. Mas não tenho ilusões, é tudo de caso pensado, senão já teriam alterado muito da insensatez.

Publicidade
destaque-1-lateral
banners para site 1080X1080PX
Contan
banner-sindiquimica--
IMG-20240217-WA0012
17-anos-sindborracha-1080X1080

Pois é, temos que adquirir cada vez mais consciência de que essa política brasileira não é feita por amadores ou para os coerentes. Basta olhar a fauna que a habita.

A propaganda eleitoral, como disse, paga com nosso dinheiro, sai muito cara para a nossa sociedade. Não só porque é cara em termos de dinheiro, uma média de R$ 800 milhões — como não prestam contas, omitem, não sei precisar ao certo —, mas, principalmente, porque é uma verdadeira escola de infantilização e imbecilização do nosso povo. Pagamos caro para os partidos, os políticos e os marqueteiros imbecilizarem nosso povo.

Nesse caso, não adianta procurar escapatória. Enquanto perdurar esse tipo de comunicação política, caminhamos sempre para uma tragédia atrás da outra. Mesmo que começássemos a fazer tudo certo agora, levaria muito tempo para chegarmos a uma situação melhor. Porém, o mais trágico é que podemos ter chegado a um ponto de não retorno, depois de décadas dessa infantilização mental. Assim, nosso futuro como construtores de uma provável nação está comprometido, ou quem sabe até inviabilizado. Como já sabemos, e os exemplos abundam no mundo, não se constrói uma nação com um povo dominado mentalmente, adaptado à servidão.

Quer um exemplo prático do que afirmo aqui? Perceba na futebolização das mensagens, o time de fulano contra a seleção de beltrano. Claro, esse tipo de metáfora consegue se comunicar melhor com determinados segmentos sociais, porém repetidos por longos períodos, condiciona nosso povo ao analfabetismo político eterno, além de reforçar os estereótipos de violência e racismo que, infelizmente, ainda persistem no futebol: nós contra eles, nossa torcida organizada contra a deles, e por aí vai.

Um leitor nosso poderia afirmar: “é o preço que devemos pagar pela democracia”. Ao qual eu respondo: evidente que devemos pagar para termos um país democrático, com eleições periódicas, mas, mesmo rebaixando nosso conceito de democracia apenas ao direito de voto, o que não é, podemos afirmar que ela poderia entregar mais e melhor, haja vista o investimento que nossa sociedade realiza, tanto financeiro quanto político, e até sensível nessa nossa democracia. É como ocorre na confecção de um bolo para alimentar nossa família: podemos investir em uma pessoa que ao final nos entregue um bolo ruim e solado, como também podemos entregar os mesmos ingredientes e pagar o mesmo valor para uma outra que nos entregará um bolo saudável e gostoso, que vai saciar nosso estômago, e, certamente, alimentar também nosso cérebro e nosso espírito.

O mais difícil de acreditar é que a futebolização não é o pior aspecto. Temos situações bem piores e desesperançosas para nosso desejo de um país justo, verdadeiramente democrático e mentalmente emancipado. Nesse aspecto, é deplorável, deprimente, a guerra de narrativas, muitas dessas maniqueístas, com o único objetivo de colonizar corações e mentes, que ocorre na TV e no rádio, e mais comumente nas redes sociais. Nelas podemos perceber com maior desenvoltura as projeções das doenças psicológicas, da morbidez e da crueldade que as carregam.

Poderia aqui detalhar mais, mostrar mais exemplos dessa desastrosa “comunicação política”, a vigorosa indústria das fake, nossa entrada definitiva na era da pós-verdade, seus impactos, mas alongaria muito este artigo, estaria contrariando, e muito, as orientações atuais para escrituras nas redes.

O importante é frisar que vemos pessoas, aparentemente “conscientes” do ponto de vista político, se deixando arrastar por essa onda, empurrada de cima para baixo nas cabeças dos brasileiros. Mais uma vez pergunto: aonde iremos chegar com o atual comportamento político no Brasil? Responder a tal questão talvez seja o nosso maior desafio, pois é o que pode nos retirar do caos e do abismo. Nesse sentido, nunca é demais reafirmar o ditado popular: “não devemos tocar tambor para louco dançar”. A onda que estamos produzindo em algum momento vai nos atingir, atingir nossas cabeças ou, bem lá na frente, as cabeças de nossos filhos e netos. Ou não é correto que colhemos o que plantamos? Ou que o cipó de aroeira sempre volta?

Por fim, também nesta última semana da campanha eleitoral, os veículos de comunicação trazem informações sobre um outro possível assassinato por motivação política, mais um dentre outros que acontecerammem 2022. Na eleição de 2018, o assassinato do mestre Moa do Katendé, praticado por um bolsonarista, comoveu todo o Brasil. Já foi um sinal, mas somos atavicamente insensíveis aos sinais. Dessa vez, informam, foi um lulista que matou um bolsonarista em Santa Catarina.

Ouso afirmar que essa guerra está só começando. O mais correto é que nossa população mandasse os dois líderes políticos para o ostracismo, mas não é o que vai acontecer, muito pelo contrário, de alguma forma ainda sentimos prazer com guerras, gostamos ainda de ver “o sangue batendo nas canelas”. Afinal, somos ou não somos sapiens?

O ostracismo foi a forma que os gregos encontraram para reequilibrar o que denominaram de Agon. Como sua cultura adquiriu uma certa clareza de que a vida era uma luta sem fim e que, quando não controlada, os humanos perdem o pudor, a moral, e deixam o ódio fluir livremente, criaram a ideia de Agon, de uma disputa ordenada e justa. Ou seja, compreendiam a competição como uma maneira de guiar essas forças violentas para lugares adequados. Uma espécie de “um leito de um rio”, talvez seja uma metáfora adequada para simbolizar.

Vejo, de certa forma, nosso contrato social e nossas instituições republicanas como Agon das sociedades modernas. Por isso, devem funcionar de maneira muito justa e exemplar. Do contrário veremos a brutalidade prosperar, como fazem os rios quando têm suas margens diminuídas, represadas, por uma série de mecanismos que o ser humano incorporou na sua “racional” jornada de controle da Natureza, nesse caso, a externa.

Atualmente, acredito, dois candidatos, suas simples imagens políticas, inevitavelmente servem de combustível para essa guerra. Um porque não pode fugir do título de cleptocrata, e o outro do título de necropolítico. Isso por si só já é motivo de desavença, briga e até morte, numa simples conversa de bar, na praça ou em família.

Nesse sentido, precisamos retomar com vigor, nas ruas, como faziam os gregos na Ágora pública, não esperar pelos políticos tradicionais nas suas eternas negociatas de alcovas, a possibilidade de instauração do Agon brasileiro, da nossa República sempre adiada, antes que nosso país se precipite e afunde em mais uma barbárie. Temos esse dever histórico com nosso país e com as gerações atuais e futuras.

Pelo ensinamento grego, só existe um caminho: ostracismo neles, ostracismo para os dois contendores, guerreiros desleais que desequilibram o Agon, que inviabilizam nosso eterno sonho de uma República verdadeiramente democrática, que interditam nosso desejo de uma nação materialmente justa e espiritualmente livre, autônoma e emancipada.

Só seu voto e sua luta cotidiana e permanente podem erguer e cria a ideia de Agon brasileiro!

Avante, sem medo, com pensamento sempre altivo e emoção sempre sutil.

Acabou a Propaganda Eleitoral, até quando pagaremos para nos imbecilizar?, por Edson Miranda

Edson Miranda Borges é jornalista e mestre em Comunicação e Culturas Contemporâneas.

*Este espaço é plural e tem o objetivo de garantir a difusão de ideias e pensamentos. Os artigos publicados neste ambiente buscam fomentar a liberdade de expressão e livre manifestação do autor(a), no entanto, não necessariamente representam a opinião do Destaque1.

Acompanhe o Destaque1 no Google Notícias e fique sempre bem informado.
Excelente que chegou até aqui, afinal produzir jornalismo autêntico demanda investimento e sua colaboração é essencial para nossa equipe conseguir entregar conteúdos de qualidade. Ajude a fortalecer o Destaque1. Doe R$10. Chave Pix: fortalece@destaque1.com
Publicidade
destaque-1-lateral
banners para site 1080X1080PX
Contan
banner-sindiquimica--
IMG-20240217-WA0012
17-anos-sindborracha-1080X1080
Operação Força Total: homem é preso com arma de fogo em São Marcos
Segurança 16 de abril às 16:19

Operação Força Total: homem é preso com arma de fogo em São Marcos

Com percurso de 21 km, Meia Maratona do Salvador ao Salvador abre inscrições
Esporte 16 de abril às 16:15

Com percurso de 21 km, Meia Maratona do Salvador ao Salvador abre inscrições

Jogos Interescolares 2024 reunirão estudantes da rede municipal em Lauro de Freitas
Esporte 16 de abril às 16:01

Jogos Interescolares 2024 reunirão estudantes da rede municipal em Lauro de Freitas

Serviços eleitorais do projeto 'TRE em todo lugar' chegam em Dias d'Àvila
Geral 16 de abril às 15:42

Serviços eleitorais do projeto ‘TRE em todo lugar’ chegam em Dias d’Àvila

Braskem promove oficinas de educação ambiental em escolas de Camaçari
Meio Ambiente 16 de abril às 15:32

Braskem promove oficinas de educação ambiental em escolas de Camaçari

Em parceria com a Setrel, SineBahia anuncia 50 vagas em telemarketing em Lauro de Freitas
Oportunidade 16 de abril às 14:11

Em parceria com a Setrel, SineBahia anuncia 50 vagas em telemarketing em Lauro de Freitas

Arma de fabricação artesanal e 215 porções de maconha são apreendidas em Areia Branca
Segurança 16 de abril às 13:55

Arma de fabricação artesanal e 215 porções de maconha são apreendidas em Areia Branca

Afrocolab inaugura segunda loja colaborativa de empreendedorismo negro na Bahia
Economia 16 de abril às 12:36

Afrocolab inaugura segunda loja colaborativa de empreendedorismo negro na Bahia

Com atuação em Pernambués, 'Rei de Ouros' do Baralho do Crime é preso em Itapuã
Segurança 16 de abril às 12:18

Com atuação em Pernambués, ‘Rei de Ouros’ do Baralho do Crime é preso em Itapuã

Docentes de universidades estaduais da Bahia paralisam atividades por 24h na quinta
Educação 16 de abril às 12:12

Docentes de universidades estaduais da Bahia paralisam atividades por 24h na quinta

Polícia Militar intensifica ações em 417 municípios baianos durante Operação Força Total
Segurança 16 de abril às 11:39

Polícia Militar intensifica ações em 417 municípios baianos durante Operação Força Total

Em alerta vermelho na Bahia, Camaçari deve ter pancadas leves de chuva até domingo
Geral 16 de abril às 11:19

Em alerta vermelho na Bahia, Camaçari deve ter pancadas leves de chuva até domingo

Na mesma semana, um bebê morre e outro tem fêmur fraturado na Maternidade de Camaçari
Saúde 16 de abril às 10:53

Na mesma semana, um bebê morre e outro tem fêmur fraturado na Maternidade de Camaçari

“Camaçari precisa de uma nova forma de governar”, afirma Flávio Matos ao criticar velhas práticas da política
Geral 16 de abril às 10:33

“Camaçari precisa de uma nova forma de governar”, afirma Flávio Matos ao criticar velhas práticas da política

Mega-Sena sorteia prêmio estimado em R$ 66 milhões nesta terça
Brasil 16 de abril às 9:07

Mega-Sena sorteia prêmio estimado em R$ 66 milhões nesta terça

Concurso Nacional Unificado: veja o que pode e não pode levar no dia da prova
Brasil 16 de abril às 8:41

Concurso Nacional Unificado: veja o que pode e não pode levar no dia da prova

Simm tem 73 oportunidades de emprego em Salvador e Camaçari nesta terça; confira lista
Oportunidade 16 de abril às 8:35

Simm tem 73 oportunidades de emprego em Salvador e Camaçari nesta terça; confira lista

"A rouquidão muitas vezes é negligenciada pela população", alerta presidente da ABLV
Saúde 16 de abril às 8:00

“A rouquidão muitas vezes é negligenciada pela população”, alerta presidente da ABLV

Moto roubada em Lauro de Freitas é recuperada pela PRF em Alagoinhas
Segurança 15 de abril às 19:47

Moto roubada em Lauro de Freitas é recuperada pela PRF em Alagoinhas

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025
Brasil 15 de abril às 19:40

Governo propõe salário mínimo de R$ 1.502 em 2025

SineBahia tem vagas para Salvador, Lauro de Freitas e Simões Filho nesta terça
Emprego 15 de abril às 18:39

SineBahia tem vagas para Salvador, Lauro de Freitas e Simões Filho nesta terça

Coletivo Meio Tempo promove oficinas de vídeo e teatro na periferia de Salvador; inscrições estão abertas
Cultura e Entretenimento 15 de abril às 18:00

Coletivo Meio Tempo promove oficinas de vídeo e teatro na periferia de Salvador; inscrições estão abertas

error: Alerta: para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou botões disponíveis na página. A medida visa preservar o investimento que o Destaque1 faz no jornalismo.