Implantação de postes pode ser manobra para invadir dunas antes da implantação do parque, por Ana Maria Mandim

A inesperada e rápida implantação de postes e cabeamento de alta tensão no desvio Via Parque/Bela Vista, em Jauá pela Conecta Empreendimentos, terceirizada da Coelba, levantou a suspeita de que essa manobra buscou antecipar-se à iminente implantação do Parque Municipal de Abrantes e Jauá.

O desvio Via Parque/Bela Vista está dentro dos limites (poligonal) do parque e as dunas são alvo permanente de invasões. As dunas parecem paliteiros de tantas estacas fincadas nelas para delimitar lotes pequenos. Não raro se encontram placas onde está escrito “vende-se”.

Demorou apenas alguns dias a implantação dos postes e do cabeamento, concluída anteontem (2) e que mobilizou dezenas de operários da Conecta e pelo menos dez caminhões da empresa. A operação se caracterizou por gritantes irregularidades. Nenhum documento foi apresentado pelos responsáveis da Conecta, nem autorização para a obra e nem as obrigatórias licenças ambiental e urbanística.

Mais grave ainda, nem a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (Sedur), nem a Secretaria de Serviços Públicos (Sesp) foram sequer consultadas pela Coelba ou pela Conecta. O secretário de Desenvolvimento Urbano de Camaçari, Genival Seixas, comentou com a AVP que se surpreendeu com a rapidez dessa operação da Coelba, normalmente muito mais lenta em seus trabalhos.

O que se espera agora da Coelba e de sua terceirizada Conecta é que cumpram a lei que atropelaram e corrijam imediatamente a grave irregularidade que cometeram, mediante a completa retirada dos postes e do cabeamento implantados no desvio Via Parque/Bela Vista.

Aquela é Área de Preservação Permanente (APP) e a existência dos postes é um estímulo para consolidar e estimular novas invasões. O promotor de Justiça de Meio Ambiente e Urbanismo Luciano Pitta recomendou em 2005 às concessionárias de serviços públicos que não disponibilizassem esses serviços em áreas invadidas pelos motivos acima referidos.

A Coelba e a Conecta estão obrigadas por lei a corrigir o crime ambiental que praticaram com a mesma rapidez com que o cometeram.

*Ana Maria Mandim é jornalista e presidente da AVP

 

 

 

*Este espaço é plural e tem o objetivo de garantir a difusão de ideias e pensamentos. Os artigos publicados neste ambiente buscam fomentar a liberdade de expressão e livre manifestação do autor(a), no entanto, não necessariamente representam a opinião do Destaque1.

Leia também 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.