Guerra de amazonas: em lados opostos, Luiza e Márcia travam batalha em defesa das mulheres

A professora e ex-deputada estadual Luiza Maia criticou duramente a gestão do prefeito de Camaçari, Elinaldo Araújo (DEM), nesta segunda-feira (16), em especial, as políticas públicas para as mulheres, conforme íntegra de artigo abaixo.

Nesta terça-feira (17), a secretária de Cultura, Márcia Tude, saiu em defesa do governo municipal e rebateu as críticas da ex-deputada.

Confira os posicionamentos de Luiza e Márcia sobre as ações desenvolvidas em Camaçari em prol das mulheres.

Direitos da mulher, retrocesso no Brasil e em Camaçari

Depois da eleição do presidente fascista, pornográfico e autoritário o Brasil está vivendo um assustador retrocesso, principalmente em relação aos direitos das mulheres. Em Camaçari não tem sido diferente. O atual prefeito elegeu as mulheres como inimigas e vem fazendo estrago em suas conquistas: acabou com a Secretaria da Mulher que tinha como objetivo promover políticas públicas para diminuir as desigualdades sofridas por elas; fechou o Centro de Referência da Mulher que cuidava da segurança acolhendo as mesmas em situação de violência; desativou o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher; não respeita a Lei Antibaixaria e além disso, não aprovou nenhuma política pública, nenhum projeto ou programa para beneficiá-las. É um verdadeiro ataque cotidiano às suas vidas essa decisão do governo de desmontar toda estrutura criada na gestão do ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano.

E continua ignorando as dificuldades vividas pelas mulheres camaçarienses, principalmente as negras e as mais pobres. Segundo IBGE, 40% dos lares do município são chefiados por mulheres. Elinaldo não tem um projeto para combater o desemprego que tanto atinge a vida delas, como também dos trabalhadores. Só valoriza os forasteiros e as empresas de fora pertencente aos políticos do DEM e seus aliados.

Sobre a violência doméstica, sexual e o feminicídio nada fez para ajudar diminuir os seus índices. Pelo contrário, apoia o governo machista, homofóbico, racista e antinacional do Bolsonaro que destrói, cada dia, todos os avanços alcançados pelas mulheres e ainda incentiva abertamente a violência generalizada.

Mesmo diante dessa triste situação as mulheres resolveram não se render e comandadas pela companheira, pré-candidata a prefeita, Ivoneide Caetano, organizaram o movimento “Mulheres em Defesa de Camaçari” para lutar pelo resgate dos seus direitos, derrotarem esse prefeito machista e a cidade voltar a ser referência nas realizações e na pauta feminina.

Lugar de mulher é onde ela quiser!

Mulheres à luta!

Luiza Maia

Professora e ex-deputada estadual 

É importante que o nosso poder de fala sirva para formular, construir e executar, não para fazer politicagem

Acho que precisamos inaugurar um novo momento na política em Camaçari onde melhorar a vida das pessoas seja nosso maior compromisso. Vivemos grandes transformações sociais nos últimos anos, e isso corrobora numa série de avanços nos direitos das mulheres. Não vamos permitir retrocessos. Não podemos!

O enfrentamento precisa ser feito e muito se fala sobre sororidade, que nada mais é que a união entre nós mulheres baseado no princípio básico da empatia e do companheirismo, então é inadmissível que uma ex-parlamentar ao invés de comemorar a reativação do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, negue a nossa existência. É inadmissível que ao invés de usar sua voz para falar da entrega do Centro de Referência e Atendimento à Mulher (CRAM) completamente requalificado que tem um papel renovador de assistência e acolhimento a milhares de mulheres em nosso município, negue a existência desse equipamento público. É importante lembrar que está em andamento também a construção de seis novas creches, com inaugurações previstas até o final do ano. Só a mulher que estuda e trabalha para garantir o sustento da família sabe a importância de ter um espaço que dará todo suporte e amparo para que seus filhos estejam seguros. É importante lembrar também que o governo apresentou o programa bolsa social e o auxílio aluguel através da Sedes, que tem como objetivo contribuir com uma renda complementar para garantir a moradia e o alimento das famílias, bem como outros benefícios. Temos o programa cultura todo dia que garante o direito a cultura proporcionando um espaço de aprendizado, arte, e lazer.

Formulamos e executamos políticas públicas nessa gestão que afeta diretamente a vida das mulheres de Camaçari, é desonesto dizer o contrário, dizer, por exemplo, que o CRAM está fechado enquanto está aberto e totalmente requalificado.

Então é importante que o nosso poder de fala sirva para formular, construir, ajudar, informar as mulheres sobre os nossos espaços de direito para que eles possam ser cada vez mais ocupados, e não para fazer politicagem.

Sobre Luiza Maia, a respeito enquanto mulher, cidadã, parlamentar, divergimos apenas na política. E seu lugar é a frente dessa luta. As cadeiras ocupadas pela ex-vereadora, presidente da Câmara, ex-deputada e secretária do Estado foi legítimo, é uma vitória eleger mulheres nos espaços de poder que historicamente nos foi restringido, afinal não comemoramos nem um século que conquistamos o direito ao voto, então é importante fazer uma reflexão do que um mandato feminino representa para nós mulheres. Não somos mais objetos de discurso e sim sujeito. 

É permitir que o machismo reverbere da forma mais cruel que existe, uma mulher que ocupou tantos espaços de luta sair em defesa de um projeto de poder comandado por um homem. Não podemos permitir que eles todos os dias nos digam o que fazer e estejam por trás dos nossos discursos. Acredito que existam grandes mulheres por trás de um ex-prefeito inelegível que as utiliza apenas para um único fim: retornar ao poder a qualquer custo.

Militar no movimento de mulheres é um lugar de enfrentamento, não há lugar para negociações em um espaço construído arduamente.

Entendo e anseio que muito mais precisa ser feito, enquanto cidadã, membro do Conselho Municipal de Mulheres e secretária de Cultura, darei minha contribuição para garantir que os nossos direitos estejam assegurados e na luta para que muito mais nos sejam garantidos. As políticas públicas precisam ter um impacto transformador na vida das pessoas, sobretudo das mulheres, é uma reparação histórica e o prefeito Elinaldo tem se esforçado muito para isso.

Márcia Tude

Integrante do Conselho Municipal de Mulheres e secretária de Cultura

2 comentários em “Guerra de amazonas: em lados opostos, Luiza e Márcia travam batalha em defesa das mulheres

  • quarta-feira, 18 de setembro de 2019 em 04:17
    Permalink

    ENGRAÇADO ESSE PESSOAL, ACHA QUE O POVO É BESTA, FICA O TEMPO TODO NA MOITA, E FALTANDO UM ANO REAPARECE PREGANDO A MORALIDADE. DEUS MAIS

    Resposta
  • quarta-feira, 18 de setembro de 2019 em 18:20
    Permalink

    Luiza,a Luiza de sempre,é a legítima representante da esquerda caviar ,que adora holofotes

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.