Câncer de cabeça e pescoço deve atingir 43 mil brasileiros em 2019

No sábado (27) é comemorado o Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço. A data visa alertar a população para a importância dos hábitos saudáveis na prevenção desse tipo de tumor.

Segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de cabeça e pescoço deve atingir 43 mil brasileiros em 2019. As infecções por HPV, o tabagismo e o consumo de álcool estão entre os principais fatores de risco para o surgimento da doença.

Atualmente, o câncer de cabeça e pescoço, que inclui câncer de boca, laringe e demais sítios dessa região, representa o segundo mais frequente entre os homens brasileiros, o primeiro é o de próstata.

De acordo com o oncologista Eduardo Moraes, da equipe médica do (Núcleo de Oncologia da Bahia (NOB), é preciso chamar a atenção para a infecção pelo HPV (Papilomavírus Humano), transmitido via sexo oral sem proteção, que tem sido um dos principais responsáveis pelo câncer de garganta.

Além de fatores genéticos, tabagismo, álcool e HPV, os hábitos alimentares, os traumas crônicos causados por próteses dentárias mal adaptadas e a exposição excessiva ao sol sem proteção labial podem desencadear algum câncer de cabeça e pescoço. Os hábitos de consumir bebida alcoólica e fumar associados podem aumentar em até 20 vezes a possibilidade de desenvolver a doença.

O câncer de cabeça e pescoço atinge, principalmente, a boca (céu da boca, língua e gengiva), a faringe (garganta), a laringe (cordas vocais), os seios da face, a cavidade nasal ou a glândula tireoide. Nas mulheres, o câncer mais frequente nas regiões da cabeça e pescoço é o de tireoide e, nos homens, o câncer de boca, laringe e faringe.

Feridas na boca que não cicatrizam em até três semanas, rouquidão persistente, perda de peso, dificuldade ou dor para mastigar e engolir, alteração da voz, aumento dos gânglios linfáticos ou nódulos no pescoço e mau hálito persistente são sintomas que podem estar associados a algum câncer de cabeça e pescoço.

“Ao notar qualquer um desses sintomas, é fundamental que a pessoa vá ao médico o quanto antes. Quando se trata de um tumor, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado aumentam consideravelmente as chances de cura”, adverte o oncologista Eduardo Moraes. Mais de 90% dos tumores pequenos e localizados são curáveis.

“Evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, não fumar, usar preservativo nas relações sexuais e cuidar da higiene bucal são hábitos importantes para prevenção da doença”, recomenda o oncologista.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.