Professores da Uneb contestam anúncio do governo sobre promoção de 398 docentes e analisarão a greve

Em greve há 15 dias, desde o dia 9 de abril, professores dos 24 campi da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) irão analisar o movimento hoje à tarde, no teatro da instituição no campus do Cabula, em Salvador, às 14h. A assembleia acontecerá após o Governo da Bahia informar por meio de nota a promoção de 900 professores das universidades estaduais.

De acordo com o executivo estadual serão promovidos professores auxiliares, assistentes, adjuntos e titulares da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb) e Uneb.

Segundo o projeto de lei, a Uneb terá um total de 398 vagas abertas para promoção de docentes. Serão 139 vagas para a promoção do cargo de professor auxiliar para assistente e 139 vagas de assistente para adjunto. Outras 83 vagas serão para promoção do cargo de adjunto para titular, além de 37 de professor titular para pleno.

Porém, a coordenadora jurídica institucional e de aposentadoria da Seção Sindical dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia (Aduneb), Ana Margarete, afirma que a informação foi divulgada sem uma conversa prévia com a categoria que estava prevista para a manhã de hoje, às 9h. “Cancelaram sem justificativa”, contou. “O direito a promoção é apenas uma das pautas de reivindicações. Isso significa que muitos mestres e doutores estão na fila há anos aguardando uma promoção”, pontuou em entrevista ao Destaque1.

Maragarete ressaltou que era necessário ter mantido a reunião desta quarta-feira “para fechar este ponto e outros pontos” da pauta do movimento. Segundo a coordenadora da Aduneb, 44 docentes ainda permanecerão de fora com a medida anunciada. “44 professores ficariam de fora. Nós temos que avançar na negociação para garantir que os demais mestres e professores tenham o direito garantido. Para que daqui a dois anos a gente não precise fazer outra greve. O governo precisa ampliar esse quadro de vagas”, defendeu.

Para Ana Margarete a decisão revelou um recuou do Governo do Estado com relação às rodadas de negociação. “O governo de certa maneira recuou, se recuou é porque não tem propostas concretas”, disse.

A categoria reivindica, por exemplo, a redução de carga horária; a destinação de, no mínimo, 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI) do Estado da Bahia para o orçamento anual das universidades estaduais; reposição integral da inflação do período de 2015 a 2017, em uma única parcela, com índice igual ou superior ao IPCA; e reajuste de 5,5% ao ano no salário base dos docentes para garantir a política de recuperação salarial, referente aos anos de 2015, 2016 e 2017.

Nesta quinta-feira (25), às 14h, professores e estudantes das universidades estaduais promoverão ato público em defesa das instituições de ensino no Campo Grande, em Salvador. Integrantes dos 24 campi da Uneb deverão marcar presença, além das demais entidades.

Leia também
Professores da Uneb decidem manter greve

Demais universidades

O projeto apesentado pelo governo estadual prevê para a Uesb a criação de 227 vagas para promoção de professores, sendo 97 promoções do cargo de assistente para adjunto, 97 de adjunto para titular e 33 do cargo de titular para pleno.

A Uesc terá 151 vagas para promoção de docentes: 68 vagas para promover professores assistentes em adjuntos, 63 do cargo de adjunto para titular e 20 vagas para a promoção de titular para pleno.

Já na Uesf, serão 124 vagas para promoção de professores. Desse total, 52 serão de assistente para adjunto, outras 52 de adjunto para titular e 20 de titular para pleno.

Um comentário em “Professores da Uneb contestam anúncio do governo sobre promoção de 398 docentes e analisarão a greve

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.