Orun em festa para receber a filha do caçador

Já faz alguns meses que escrevo nesta coluna e uma vontade enorme de falar das obras literárias feitas por dona Maria Stella de Azevedo Santos, Mãe Stella de Oxóssi, Ode Kayode. Contudo, faltou-me coragem de pôr em palavras tudo que aprendo lendo seus textos, acompanhando sua trajetória de militância religiosa dentro e fora de sua nobre casa, o Ilê Axé Opo Afonjá, que também se tornou nossa casa.

Seu olhar de mãe me inundava de esperança todas as quartas-feiras de amalá que pude estar no Afonjá uns seis anos atrás. Lembro-me, vivamente, do dia que comprei o livro “Meu tempo é agora” e levei até a grande Iyá para autografar: a audição já estava um pouco prejudicada, mas a escrita ainda viva e certa como a flecha do caçador, assinou para Ana Paula ao invés de Ana Fátima… não liguei. Só de estar diante de uma mulher com tantos desbravamentos, com um título Honoris Causa sendo ela reconhecida perante a sociedade baiana enquanto uma líder religiosa de matriz africana, eu já estava no máximo das bênçãos.

Outro dia, em uma festa pra Oxóssi – meu senhor, meu pai – admirei aquela senhora sentada em seu trono, olhar concentrado, entregue à fé, não tinha como não se sentir acolhida, protegida. Okê Arô!

Agora, no Orun, dá continuidade às suas bênçãos a nós, mortais, falhos, extravagantes. Humildade e responsabilidade em tudo que fez, ensina-nos o quanto temos a aprender com seu legado de tantas frentes. “Modupé, Mãe Stella!” Foi o que disse ajoelhada diante dela há 6 anos atrás, e repito hoje, após sua passagem para junto dos nossos ancestrais. E direi sempre, por que se hoje sou Yewa Farajogba, filha do Ilê Axé Iboro Odé, omo orixá, escritora, educadora, tenho como uma de minhas principais referências esta grande senhora de Oxóssi que se iniciou aos 14 anos de idade, aos 51 assumia seu compromisso de iyalorixá da casa de Xangô Afonjá,  fez seus ensinamentos correr mundo em palestras, livros, vídeos no Youtube, ao receber seu lugar na Academia de Letras da Bahia, ao auxiliar na cura enquanto enfermeira ou mãe dos segredos de axé, sendo si mesma. Sendo uma mulher do seu tempo. Sendo nossa eterna mãe.

Imagem em destaque: Mãe Stella. Crédito foto: Antonello Veneri

Ana Fátima é escritora infantil, contista, poeta, educadora artística, mestra em crítica cultural e professora de língua portuguesa pela Secretaria de Educação de Camaçari.

Um comentário em “Orun em festa para receber a filha do caçador

  • sábado, 5 de janeiro de 2019 em 07:57
    Permalink

    Parabéns, pelo texto, amiga!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.