IBGE projeto queda de 15% na produção de soja na Bahia em 2019

O primeiro prognóstico nacional para a safra 2019 de cereais, leguminosas e oleaginosas, também conhecidos como grãos, prevê uma produção de 226,7 milhões de toneladas, 0,2% menor que a de 2018. Deve haver recuos em quase todas as regiões: Norte (-0,3%), Nordeste (-8,8%), Sudeste (-1,9%) e Centro-Oeste (-1,4%). Apenas no Sul, até o momento, espera-se crescimento de 4,1%.

Dos cinco produtos de maior importância, em termos nacionais, três devem ter quedas na produção, em relação a 2018: algodão (-2,8%), arroz (-4,2%) e soja(-1,0%). Com variações positivas estão o feijão (0,3%) e o milho (2,6%).

Ainda não há, para os estados, dados consolidados desse primeiro prognóstico da safra de grãos 2019, mas já se prevê, para a Bahia, uma redução de 15,7% na produção de soja, em relação ao recorde histórico a ser colhido em 2018.

Confirmando-se o prognóstico, dentre os principais estados produtores de soja do país, a Bahia deverá ter a maior redução percentual na safra do grão, entre 2018 e 2019. A estimativa é que a produção baiana de soja no próximo ano seja de cerca de 5,3 milhões de toneladas, quase 900 mil toneladas a menos, ou -15,7%, que o estimado para 2018 (6.244.800 toneladas).

Isso se deve à previsão de redução de 17,8% no rendimento médio das lavouras de soja no estado, associada às incertezas climáticas. Em 2018, os produtores da região conhecida como “MATOPIBA” (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), foram beneficiados pelo clima mais chuvoso, mas não há garantia de que isso se repita em 2019.

Para o Brasil como um todo, o primeiro prognóstico para a safra 2019 de soja é de 116,6 milhões de toneladas, com recuo de 1,0% em relação a 2018. A área a ser plantada com a leguminosa está prevista em 35,3 milhões de hectares (+1,1%), já o rendimento médio estimado deverá ser de 3.303 kg/ha (-2,3%).

Outubro de 2018

Entre setembro e outubro, a estimativa para a safra baiana de grãos em 2018 foi revista para cima (+0,9%), devendo totalizar, neste ano, 9.328.019 toneladas, 15,5% mais que a safra 2017 (8.078.077 toneladas) e um recorde para o estado.

Contribuíram para esta revisão, os aumentos nas produções de algodão (de 1.143.004 toneladas em setembro para 1.248.154 em outubro, +9,2%), soja (de 5.767.200 toneladas em setembro para 6.244.800 em outubro, +8,3%) e café (de 189.000 para 249.240 toneladas, ou +31,9%, entre setembro e outubro).

Com o bom resultado da estimativa de outubro, a Bahia deve ganhar uma posição e fechar o ano como 7º maior produtor de grãos do país, superando, ainda que por pouco, São Paulo – ambos ficam com 4,1% do total. Mato Grosso deverá continuar na liderança da produção nacional de grãos, com uma participação de 26,8%, seguido pelo Paraná (15,5%) e Rio Grande do Sul (14,8%).

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado mensalmente pelo IBGE. O grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas (grãos) engloba os seguintes produtos: arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo, triticale, amendoim, feijão, caroço de algodão, mamona, soja e girassol.

14 safras de produtos devem ser maiores em 2018

Com as revisões para cima de setembro para outubro na previsão da safra baiana em 2018, a estimativa é que, neste ano, mais dois itens tenham aumento de produção, em relação a 2017, café canephora e arroz, totalizando ganhos em 14 das 26 lavouras investigadas no estado.

O café canephora passou de uma estimativa de safra de 117.000 toneladas em setembro (menor que a de 2017 em 4.380 toneladas) para uma previsão de 140.400 toneladas em outubro (maior que a de 2017 em 19.020 toneladas). Já o arroz passou de uma estimativa de 3.966 toneladas em setembro (-4.050 toneladas em relação a 2017), para 9.126 toneladas em outubro (+1.110 que em 2017).

Frente a 2017, em 2018 as maiores estimativas de crescimento, em termos absolutos, no estado são de cana-de-açúcar (+1,4 milhão de toneladas), soja (+1,1 milhão de toneladas), milho 1ª safra (+446 mil toneladas) e algodão herbáceo (+414 mil toneladas).

Por outro lado, as safras baianas com maiores estimativas de queda, em toneladas, são as de mandioca (-551,2 mil toneladas), milho 2ª safra (-469,8 mil toneladas) banana (-247 mil toneladas).

*Por Agência IBGE de Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.