Fabricação de celulose e de derivados do petróleo aumenta e puxa economia baiana para cima

O aumento de 7,1% na produção industrial da Bahia, na comparação com outubro de 2017, foi resultado do desempenho positivo das indústrias de transformação (7,3%) e extrativas (3,5%), com crescimento em cinco das 11 atividades pesquisadas separadamente no estado.

Os principais impactos positivos para a indústria do estado vieram da fabricação de celulose, papel e produtos de papel (39%), que registra aumentos consecutivos desde maio deste ano, e fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (18%), que registrou o segundo aumento consecutivo de produção em um ano.

Também apresentaram crescimento os setores de metalurgia (7,9%), outros produtos químicos (7,2%) e fabricação de bebidas (4,3%).

Produção industrial

Em outubro, a produção industrial da Bahia, descontados os efeitos sazonais, voltou a crescer (1,1%), após registrar queda (-3,1%) em setembro, e apresentou o menor crescimento entre os 15 locais pesquisados, junto a Minas Gerais (1,1%). Ainda assim, ficou acima da média nacional (0,2%).

Os melhores resultados foram registrados no Amazonas (12,4%) e em Santa Catarina (4,4%). No outro extremo ficaram Pernambuco (-10,1%) e Mato Grosso (-2,7%).

Frente a outubro de 2017, a produção industrial baiana também cresceu (7,1%), após ter recuado em setembro (-2,6%). Teve desempenho melhor que a média nacional (1,1%) e acompanhou o movimento de crescimento verificado em outros nove dos 15 locais pesquisados.

Nesse confronto, a produção industrial cresceu mais em Rio Grande do Sul (14,8%) e no Pará (12,9%), enquanto os maiores recuos ocorreram em Goiás (-6,5%) e no Rio de Janeiro (-3,1%).

Com os resultados positivos de outubro, a produção industrial na Bahia teve um ligeiro aumento no acumulado do ano, passando de 0,2% em setembro para 0,9% em outubro. O resultado, porém, ficou abaixo da média nacional (1,8%).

O mesmo resultado (0,9%) foi registrado no acumulado nos 12 meses encerrados em outubro, aumentando o ritmo de expansão que, em setembro, registrou crescimento de 0,1%. Nessa comparação, permanece inferior à média nacional (2,3%).

Veículos e alimentos

Os principais impactos negativos para a indústria do estado, em outubro, continuaram vindo dos setores de veículos automotores, reboques e carrocerias (-5,5%) e de produtos alimentícios (-5,0%). Ainda assim, se mantêm positivos no acumulado em 2018, com crescimentos de 12,0% (veículos) e 2,4% (alimentos).

Agência IBGE Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.