Comercialização de mercúrio será proibida a partir de 1º de janeiro

Com o intuito de reduzir os riscos de contaminação de pessoas e do meio ambiente pelo mercúrio, o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiram a produção, importação e venda de termômetros e aparelhos de pressão que contêm colunas de mercúrio.

O motivo é que o elemento químico pode provocar problemas neurológicos e na tireoide a longo prazo. Quem já possuir os equipamentos com mercúrio pode continuar a utilizá-los, com cuidado. O Ministério da Saúde pretende iniciar uma campanha para recolhimento dos equipamentos com mercúrio, mas ainda não há data prevista.

A medida segue as determinações da Convenção de Minamata, assinada pelo país. O texto foi debatido no âmbito das Nações Unidas e foi reconhecido por 140 países em 2013 para reduzir o uso do mercúrio em vários itens, como pilhas e lâmpadas, por exemplo. Contudo, produtos usados em pesquisas científicas e para calibrar instrumentos não foram atingidos pela proibição.

Em casos de acidentes com termômetros em casa e as bolinhas de mercúrio se espalharem, o ideal é isolar o local para evitar que crianças tenham contato com o material e abrir as janelas para arejar o ambiente. Além disso, para juntar as bolinhas, a recomendação é usar algum material, como papel cartão, para evitar a contaminação, e guardá-las em um recipiente resistente de plástico ou vidro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Para compartilhar esse conteúdo, por favor, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. As regras tem como objetivo proteger o investimento que o Destaque1 faz na qualidade de seu jornalismo.